Acesso Restrito

DOENÇAS

VOCÊ ESTÁ AQUI: OFTAMOLOGIA ESPECIALIZADA > DOENÇAS > TUMORES PALPEBRAIS BENIGNOS

voltar

Tumores palpebrais benignos

Os tumores palpebrais variam de lesões benignas e inocentes até lesões malignas com risco de metástases e altamente perigosas. Desta forma a avaliação de lesões de pele na face e nas pálpebras por um profissional oftalmologista ou dermatologista é essencial para sua segurança. À seguir, brevemente descrevemos as principais lesões tumorais benignas das pálpebras.

QUERATOSE SEBORREICA

São lesões pigmentadas, hiperqueratóticas que aparentam estarem encravadas na pele. (Veja a figura abaixo) Ocorrem com frequencia na face e nas palpebras, geralmente com a idade. A exérese é curativa.

Queratose Seborreica em pálpebra superior

QUERATOSE ACTÍNICA

Lesões planas, esbranquiçadas, descamativas que ocorrem em aréas expostas à luz solar. Diferentemente da queratose seborreica, esta lesão é considerada uma condição pré-maligna. Desta forma sua exérese é necessária, além do estudo anátomo-patológico. 

queratose actínica em região inferior da pálpebra

NEVUS

Nevus são comumente chamado de "pintas". Os nevus são lesões congênitas geralmente pigmentadas bem delimitads, planas ou regularmente elevadas. Estas lesões podem ser não pigmentadas assim como também podem ficar mais pigmentadas com o tempo. O risco destas lesões é que raramente podem sofrer transformações malignas. Os sinais desta transformação são quando elas crescem, mudam de cor, ulceram ou começam a sangrar.Nestas situações elas devem ser retiradas.

nevus pigmentado e elevado em pálpebra inferior

nevus não-pigmentado em região média da pálpebra inferior 

XANTELASMA

Os xantelasmas são lesões em placa amareladas, elásticas que geralmente acometem os cantos internos (mediais) das pálpebras. Esta patologia é benigna e está associada à hipercolesterolemia ou à disturbio congênitos. Seu tratamento pode ser realizado com exérese cirúrgica ou com procedimentos como o Laser de carbono ou a radiofrequencia. Esta decisão depende de varios fatores como tamanho da lesão, qualidade da pele, idade do paciente entre outras.

Geralmente a cirurgia provém os mais perenes resultados.

 

Xantelasma em um paciente 

MOLUSCO CONTAGIOSO

São lesões nodulares, pequenas com uma umbilicção central. São lesões de etiologia viral e podem ser transmissivas. Ocorrem com frequencia maior em pacientes imunossuprimidos, mas também podem ocorrer em pacientes saudáveis. Seu tratamento é com exérese fria, radifrequencia ou crioterapia. Pode apresentar um quadro auto-limitado e melhorar sem tratamento em alguns casos.

Molusco Contagioso

HYDROCISTOMA (CISTO DE MOLL)

São lesões císticas com conteúdo líquido localizadas próximas às margens palpebrais. Geralmente resultam de obstrução das glândulas sudoríparas. Para a cura é necessária a exérese completa da leão com a capsula. A drenagem apenas não resolve definitivamente. 

Hidrocistoma (cisto de Moll)

CISTO EPIDÉRMICO

Os cistos epidérmicos também são erroneamente chamados de cistos sebáceos.(pois não tem origem de glândulas sebáceas) São cistos com conteúdo branco-amarelados decorrentes de seu conteúdo de queratina. São de consistência firme e geralmente ocorrem na face e pálpebras. Devem ser retirados com a cápsula para evitar recidiva.

Grande cisto epidérmico em pápelbra inferior

 

Fonte de conteúdo: Dr. Allan C. Pieroni Gonçalves


Av. São João, 570 - 6º andar, Sala 61 - Bairro Esplanada São José dos Campos - SP